Léo do AR – Foto – Gilvan Silva

O vereador, presidente da Câmara de Vereadores de Gravatá, Léo do AR (PSDB), utilizou a tribuna da Casa Elias Torres, nesta terça-feira (24/08), para explanar a situação da fiscalização realizada pela ARPE – Agência de Regulação dos Serviços Públicos Delegados do Estado de Pernambuco, quanto a taxa de 100% de esgoto, cobrada pela Compesa  – Companhia Pernambucana de Saneamento, na cidade de Gravatá, Agreste de Pernambuco.

Léo do AR iniciou sua fala informando sobre a visita do G8, ao presidente da ARPE, Severino Otávio, onde colocaram em pauta um ofício, assinado pelos oito vereadores, pela não cobrança de 100% de esgotamento sanitário.

Na última sexta-feira (21/08), Severino Otavio enviou, após o expediente da Câmara de Gravatá, via e-mail, o resultado do analise da ARPE.

“Caros colegas vereadores, Gravatá possui esgotamento sanitário tipo convencional, ou seja, completo. Por isso a taxa é de 100% prevista no decreto do governador do Estado de nº18.251“.

Disse Léo do AR sobre o ofício da ARPE.

Quer dizer, foi um decreto que o governador do estado fez que está se cobrando. A mesma ARPE faz um projeto de resolução de nº192 de 19 do 7 de 2021. Ou seja, há 30 dias atrás ela fez um projeto de resolução, homologado o decreto do senhor governador do estado de Pernambuco.

Com isso, mesmo quem não teve o privilégio de receber a manutenção sanitária da Compesa, deverá pagar a Taxa proposta pela Compesa, e decretada pelo Governador, homologada pela ARPE.

Léo do AR pediu a união dos pares/15 vereadores, para que pedissem ao governador e ratificação, que se for para pagar, pagar que foi de direito, ou a redução da taxa, e não pessoas que não tenham condições, ou que morem em locais onde não houve a ação de saneamento, a exemplo do Bairro Maria Auxiliadora, onde os dejetos vem sendo despejado no Rio Ipojuca, segundo o vereador.

Confira o áudio na integra:



PubGS - Você viu, seu cliente verá!

Os comentários estão desativados.