Dr. Dayvson: Partilha de bens na união estável e novo entendimento no STJ

709
(Post atualizado em: 17 de fevereiro de 2016)

De acordo com o Artigo 226, § 3º, da Constituição federal, a União Estável equipara-se em todos os termos com o Casamento Civil, ou seja, nos direitos e obrigações.

Art. 226. A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado.

§ 3º Para efeito da proteção do Estado, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em casamento.

Ao adentrarmos na partilha de bens, não era diferente, após a separação de fato e de direito do casal, tanto na União estável quanto no casamento Civil, se equiparavam.

A única diferença entre ambos, seria na escolha do regime de bens que o casal optará. Na casamento Civil poderia optar por qualquer um elencado no artigo 1658 e seguintes, mas, quem optar pela União Estável, obrigatoriamente estaria enquadrado no Regime de Comunhão Parcial de Bens

Tal regime é o mais utilizado em nosso ordenamento jurídico, pois de acordo com o mesmo, todos os bens adquiridos, após a constância do casamento ou da União Estável, serão comuns ao casal, ou seja, em uma eventual separação do casal ambos teriam direito a todos os bens adquiridos após o casamento.

Acontece que o Superior Tribunal de Justiça (STJ), vem se posicionando diferente em relação a partilha de bens na União Estável, não mas utilizando o exposto no tópico acima.

Agora o entendimento de que, os bens adquiridos que estão em nome de um dos cônjuges, pertence ao mesmo, cabe ao outro comprovar que contribuiu com dinheiro ou esforço para aquisição.

Ou seja no linguajar um pouco mais bruto, “o que é seu é seu, e o que é meu é meu”, se a outra parte achar que tem direito terá que comprovar que contribuição deu para aquisição do bem. Salientando que os bens que estiverem no nome de ambos será partilhado da forma anterior, ou seja, ambas partes tem direito ao bem.

Então com base neste entendimento as pessoas deveram pensar um pouco antes de optar pelo modelo de União Estável, restando claro que o casal que optar pelo casamento civil, terá agora em uma eventual separação mais direitos do que quem optar pelo outro modelo.


Dr. Dayvson C. Lins advocacia

OAB/PE 37.761

Dr. Dayvson: Partilha de bens na união estável e novo entendimento no STJ
Ainda não votou
Like
Curtir Amei Haha Uau Triste Irritado

Compartilhar no WhatsApp:


Boa Live Gravata